google.com, pub-3723287605272792, DIRECT, f08c47fec0942fa0

Atlético São José vence o atual campeão Bela Vista e está na final da 2° Copa de Confraternização CDC MAC

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmailby feather

No último domingo, (10), o “Galo” do São José fez uma partida de encher os olhos, venceu o atual campeão do torneio e é o franco favorito para conquistar o título

O Jogo

Por se tratar de uma semifinal de campeonato, o jogo começou de forma inusitada. Ou melhor, inesperada. Tanto Atlético como Bela Vista pensavam em abrir o placar logo no começo e davam muito espaço para o adversário contra-atacar. A impressão que se tinha era que a qualquer momento em uma infiltração algum atacante chegaria na frente do goleiro para finalizar. Mas por incrível que pareça as chances claras de gols não apareceram.

Em uma partida tão franca e aberta como essa, a probabilidade de uma bola parada decidir o jogo é grande, pois faltas perigosas e escanteios acontecem a toda hora. Pois bem, foi em uma cobrança de escanteio que o placar foi aberto. Aos 15 minutos da primeira etapa, escanteio para o Atlético foi cobrado no primeiro pau, a zaga do Bela Vista rebateu, Ramires no rebote cruza novamente na primeira trave, Thiaguinho se antecipou e escorou pro fundo do gol. O placar estava aberto.

Com vantagem no placar, o Atlético tinha tudo para cadenciar o jogo. O campo é grande, o sol era forte, mas o que se viu foi totalmente ao contrário. A equipe mesmo com a vitória parcial marcava pressão, roubava a bola ainda no meio campo e envolvia o adversário tocando a bola e se movimentando rapidamente.

Algumas oportunidades de gols apareceram para a equipe do Galo ampliar o placar, mas nada muito claro. Já o Bela Vista marcava e esperava um contra-ataque pra tentar assustar e esfriar a intensidade adversária, mas essa bola não apareceu e a etapa inicial terminou com a vitória parcial do Atlético por 1×0.

Segundo tempo vistoso

A etapa final tinha tudo pra ser melhor. Mesmo com o calor aumentando conforme o horário ia chegando já perto de 13 horas, os times precisavam se desgastar, afinal, era uma semifinal. O Bela Vista precisava ao menos buscar o empate para levar a vaga na marca da cal. O Atlético tinha que segurar ou ampliar o placar e garantir a classificação.

Os primeiros cinco minutos da etapa final encantou muita gente, inclusive eu, que acompanhava pela primeira vez a equipe do Atlético. Muito toque de bola, envolvendo completamente o Bela Vista que parecia estar sem nenhum tipo de reação. Quem via o jogo pensava que a qualquer momento o segundo gol iria acontecer, logo após o terceiro e assim sucessivamente. Mas estamos falando do esporte mais improvável do mundo.

Aos sete minutos, um contra-ataque improvável puxado por Antônio na direita para o Bela Vista terminou em gol. Sim, o empate apareceu. Antônio recebeu, invadiu a área

e bateu cruzado. A bola parecia ir pra fora, mas o atacante Galvão, número 11 da equipe atual campeã entrou e só empurrou para dentro. É a lei do futebol. Quem não faz, leva. Pois bem, o empate era realidade. Tudo igual no placar e obviamente, o Bela Vista iria crescer no jogo e o Atlético ficaria abalado. Mas não, não foi isso que aconteceu.

Sofrer o gol parece que deu choque no Atlético que já estava bem no jogo, mas depois do gol pressionou mais e dominou completamente o campo de defesa adversário. O Bela Vista, por sua vez, assumiu a estratégia de segurar o empate e levar para as penalidades e ficou atrás do meio marcando com duas linhas bem próximas para evitar deixar algum espaço vazio ao Galo.

A pressão foi forte, muitos chutes de fora da área, nenhum na direção do gol. O toque continuava envolvente e o Bela Vista se segurando como podia. Nesta altura o tempo já marcava 25 minutos de jogo, faltavam apenas dez minutos, os times já não tinham mais condições físicas de manter uma intensidade grande.

Alex aparece e o Galo vence

Faltando apenas cinco minutos para terminar o jogo, eis que surge Alex. Atacante de ponta direita do Atlético. O menino franzino, rápido e habilidoso dominou uma bola na intermediária e soltou a bomba. A bola morreu no cantinho direito do goleirão que nada pôde fazer. Um verdadeiro golaço. Nesta altura do jogo o pensamento que se tinha dentro do campo era o de que o jogo tinha acabado, mas o melhor ainda estava por vir.

Já entregue o Bela Vista foi para o tudo ou nada. Arriscou lançamentos tentando encontrar um empate, mas o que se viu no CDC Mac foi uma obra prima de Alex para o Atlético. No último minuto de jogo o atacante recebeu a bola na intermediária direita e saiu driblando “todo mundo” que via pela frente. Passou com muita velocidade por quatro marcadores e na frente do goleiro só tirou dando um tapa de chapa. Foi para fechar a tampa do caixão.

Vaga carimbada para a final e favoritismo amplo para o Atlético. Para o Bela Vista fica o sentimento de saber que o atual campeão fez uma boa campanha na copa posterior.

Ficha Técnica:

Atlético/São José 3 x 1 Bela Vista
Local: CDC Mac
Data: 10/12/2017

Facebooktwitterredditpinterestlinkedinmailby feather